Pesquisar este blog

domingo, agosto 21, 2005

Quero dormir bem

Quero dormir bem,
Com minha cabeça bem descansada no travesseiro.
Por isso não furto a fruta bonita do meu amigo
Não faço nada de errado
E posso dormir em paz!

Não espanco meus filhos
Não traio minha mulher
– nem em pensamento –
Não ofendo as pessoas
E posso dormir em paz!

Não consumo drogas ilícitas
E as lícitas eu, quando consumo, é com bastante moderação!
Não tiro meleca do nariz com o dedo
Não cheiro meu dedo depois de coçar o saco
E posso dormir em paz!

Depois de fazer xixi lavo as mãos
Sempre
E depois de cagar tomo banho
Sempre
E sempre posso dormir em paz!

Não tenho revólver em casa
Nem bebidas fortes
Nem cigarros
Nem escritos proibidos
E posso dormir em paz!

No meu computador não entra sacanagem
Nem joguinhos imbecis.
Também não fico conversando à toa
Com pessoas desconhecidas – sou casado!
E posso dormir em paz!

Todos os dias tomo banho
Sou uma pessoa muito limpa...
Meu cabelo está sempre cheiroso,
Meus pés não exalam mau cheiro
E posso dormir em paz!

Não sei nada sobre você, nem quero saber
Pois tenho aversão a novas amizades
Não quero nada de novo...
Medo de saber que o mundo não é só isso
E posso dormir em paz!

Nunca queimei a comida
Nunca tirei nota vermelha
Nunca me achei o máximo
Sempre fui virgem
E posso dormir em paz!

Nunca duvidei da existência de Deus
Nunca atravessei a rua sem olhar para os lados
Nunca ultrapassei o sinal vermelho
Sempre segui à risca todas as regras
E posso dormir em paz!

Nunca deixei de tomar o remédio no horário certo
Nunca cheguei atrasado
Nunca abandonei meu amigo
Sempre fui muito ético
E posso dormir em paz!

Nunca estudei matemática na aula de português
Nunca saí no meio de uma palestra
Nunca joguei papel no chão da rua
Sempre procurei os lixos
E posso dormir em paz!

Nunca bati no meu cachorro
Nunca gritei com meu gato
Nunca castiguei ninguém
Sempre estimulei o aprendizado
E posso dormir em paz!

Nunca estuprei uma mulher
Nunca matei um homem
Não fui capaz de matar nem um rato
Sempre gostei de todo mundo
E posso dormir em paz!

Nunca senti nada diferente
Nunca andei fora da calçada
Nunca voei em pensamentos maus
Sempre quis ir para o Céu
E posso dormir em paz!

Nunca olhei para a bunda de ninguém
Nunca virei minha cara, na rua, para observar uma mulher bonita
Nunca fui a um puteiro
Sempre vivi na santidade
E posso dormir em paz!

Nunca falei mentira
Nunca enganei ninguém
Nunca cometi aleivosias
Sempre fui o homem mais correto do mundo
E posso dormir em paz!

Nunca me masturbei
Nunca chorei de amor
Nunca esqueci de coisa alguma
Sempre tenho consciência do que faço
E posso dormir em paz!

Nunca li os papiros egípcios
Nunca tive vontade de lê-los
Nunca saí do meu país
Sempre penso demais
E posso dormir em paz!

Nunca fui à Disney
Nunca bebi absyntho
Nunca fiz nada de errado
Sempre procuro fazer o certo...
E posso dormir em paz!

Nunca ri da pessoa que tropeçou e caiu no chão
Nunca ri da avó surda que confundia minhas palavras
Nunca ri da cara de ninguém – por mais engraçada que ela me parecesse –
Sempre ri da piada alheia, por mais sem graça que fosse
E posso dormir em paz!

Nunca corrigi meus erros
Nunca fui hipócrita
Nunca fiz nada
E posso dormir em paz!

E você? Pode dormir em paz?

Cinco coisas do orkut

Para entrar no orkut, há que preencher coisas... Preenchi o que eu achava e o que eu achava não era o que achavam que eu achasse... Mudei tudo, para agradar os outros, sabe como é... "se você quer ser palhaço, invente um personagem no orkut, mas não coloque sua foto e responda coisas estranhas". Só porque eu disse, em orientação sexual, que eu era curioso. E mais: moro "com filhos", "com parceira", "sozinho"... O computador aceitou... "Como sozinho?" - ora, eu apenas "testava o sistema"... Minha resposta foi cruel: "quando estou trancado no quarto, estou sozinho... Às vezes eu moro sozinho, sabia?" Descobri que ela não sabia! Sentiu-se diminuída, chorou de verdade... Gente! Às vezes eu fico sozinho!! Não posso? E para explicar?

Resumindo... Umas respostas que dei e achei interessante deixar aqui...


CINCO COISAS SEM AS QUAIS NÃO CONSIGO VIVER
– Literatura (escrever e ler)
– Música
– Solidão
(tem que ser cinco?)
– Amor
– Comida (e bebida)

Depois pensei comigo: "putz, o amor tá lá embaixo"...

Foda-se. Tenho que agradar quem? E mais: defina "amor" para mim... E mais embaixo ainda está a comida...

Alguém vive sem comida? Quando perguntei "tem que ser cinco?" é porque não deveria colocar obviedades como "amor", "comida", "água"... Qualquer bicho sobrevive sem literatura, sem música e sem solidão... Eu é que não.

quarta-feira, agosto 10, 2005

O Mágico de Oz

A Doroty

O poema virá dessa idéia. Aguardem.

sexta-feira, agosto 05, 2005

LXXXVII

Quem se vê maltratado, e combatido
Pelas cruéis angústias da indigência
Quem sofre de inimigos a violência,
Quem geme de tiranos oprimido:

Quem não pode ultrajado, e perseguido
Achar nos céus, ou nos mortais clemência,
Quem chora finalmente a dura ausência
De um bem, que para sempre está perdido:

Folgará de viver, quando não passa
Nem um momento de paz, quando a amargura
O coração lhe arranca e despedaça?

Ah! Só deve agradar-lhe a sepultura,
Que a vida para os tristes é desgraça,
A morte para os tristes é ventura.

[Manuel Maria Barbosa du BOCAGE – 1765-1805]

terça-feira, agosto 02, 2005

Derrame

Sei que meu cérebro entrará em pane
Meu lado esquerdo não responderá
Não sei ao certo o que acontecerá
Mas eu não quero que você reclame.

Quero somente que você me ame
Esqueça isso tudo que poderá
Ser um motivo p'ra nos separar
ou então para que a morte nos chame.

Nessa hora, caminhando na estrada,
Pouco importará tudo que vivi
Um olho meu olhará para o nada

Você, então, estará bem cansada!
E eu, voando como um colibri,
Estarei na minha maior alçada!

segunda-feira, agosto 01, 2005

PASSAGEIRA

Seus olhos doidos de passageira
Encontraram os meus e fixamo-nos
O mundo inteiro parou
Para ver
E nada aconteceu.
Mas em nossa alma algo foi impresso
E levaremos esse arranhão para sempre.
Pode ser que amanhã não mais lembremos
Que nosso olhar se misturou
Que nos amamos por um instante
E que um ônibus levou você de mim
Ou a vida, ou o tempo, ou um disco voador…
Não importa. Você foi embora e
Tenho certeza
Nunca mais nos encontraremos.
Pode ser que esteja no mesmo lugar
Pode ser que eu, de novo, passe por ali
Mas nunca mais verei isto:
Seus olhos doidos de passageira.