Pesquisar este blog

sexta-feira, abril 21, 2006

Impressões Karmicas

Nada tinha a dizer.
A mesma rapidez do encontro – que eu queria
Ela proporcionou.

Rapidez eterna.

Beija-flor, com asas batendo muito rápido,
Perto de outro beija-flor…

Foi assim.

Beija-flores não se bicam,
Mas têm a prerrogativa dos beija-flores:
A doçura
A candidez santa
Os objetivos etéreos-aromáticos dos toques imperceptíveis.
Enquanto isso as asas
(Coração da gente)
Batendo mil vezes por segundo…


Tudo. Tudo para que fiquemos parados assim

No ar

A sorver o que há de mais lindo entre as pétalas
Asas de Borboleta.

segunda-feira, abril 17, 2006

E as coisas vão passando...

Segurança Nacional

O soldado Cleber
Do blog
Bebe
Dança
Ri
E não vai embora
Dorme na rede
Perdido em casa alheia
e depois…

quarta-feira, abril 05, 2006

Montador

Ontem eu montava ventiladores
Hélices, vértices, vórtices
Ferramentas sobre ferramentas
Sobretudo
As chaves!

E as chaves, levo-as comigo:

Em casa, o chuveiro
Na rua, um amigo:
As coisas montadas aqui.
Outras, em muitos lugares
– Quase todas sem terminar –
defeitos de fábrica
sabe como é, seu moço, a gente não tem controle…
Ao menos tenho as chaves
E posso tentar consertar.

E essas chaves, levo-as comigo:

No trabalho, trabalho com elas
Montando ventiladores
Hélices, vértices, vórtices
Ferramentas sobre ferramentas
Sobretudo
As chaves!

E essas chaves, levo-as comigo:

Abro os brutos ventiladores do Exército
Conserto os relógios da Estação Central
Monto e desmonto tudo
Até a mim mesmo, se preciso for.
Simplesmente por causa dessas malditas chaves!

Mas essas chaves, levo-as comigo:

Pesam no bolso, chacoalham, chateiam
Precisam de cópias e disso eu já sei!
Pois perdem-se as chaves, perco meu mundo,
Perco meu dia, perco o além.

As chaves que tenho não abrem os moinhos
Que só Dom Quixote tem.

sábado, abril 01, 2006

Sangue da madrugada

As portas estão se fechando
As pessoas estão saindo
E eu…

Sinto isso.

Não deveria estar aqui.

Mas agora é tarde!
E a bala que atiro em seu peito
Faz parte de um prazer mórbido que sinto por estar vivo.

Você morre

E eu sinto por estar vivo…
não suporto mais você
o desejo se apagou há tempos
o respeito, a tolerância
a amizade, se é que
chegaram a existir
realmente