Pesquisar este blog

segunda-feira, fevereiro 18, 2008

Resto

O resto
Depois das horas de 'realidade'
tudo o mais
É a vida!
E você vai ficar aí?
Fazendo tabelas?

Realidade

A realidade tem hora para acontecer.
Que horas são?

terça-feira, fevereiro 12, 2008

Os sonhos não acabaram

A foto queria dizer: estive aqui.
Agora não quer dizer nada.
Realidade forjada
Não sei de mais nada
Nenhum daqueles sonhos acabou
Continuam todos aí, a atormentar-nos
Enfrentar a realidade? De novo?
Não adianta enfrentar
Não adianta sonhar
Não adianta nada…
É muita gente
É tudo um caldo
É sempre um sonho…

Basta saber sair

Sobressair

E ir…

12/02/2008 1:00

Bem-estar

Há horas tento encontrar
O que me trouxe tanta alegria.
Guardei no mais bem guardado
Onde só eu pudesse saber.
Ninguém mais podia!
Um sonho só meu, só meu, só meu…
Não comento, não demonstro
Como um monstro, mas não digo!
Só eu sei – e ninguém mais!
Só eu sabia: zás-tráz!

Agora eu quero rir,
Mas o monstro não me diz
Passo perto e por um triz
Não encontro o lugar

É tanta coisa a se guardar…

Talvez aqui, talvez ali,
Ninguém sabe onde estará.

Eu sei bem onde’u estou.
Eu sei bem ond’ei’d’star.

Por que guardar?
Por que guardar?

Estivesse ali
Sem egoísmos
Eu saberia:
Bem-estar!

12/02/2008

domingo, fevereiro 10, 2008

INICIAÇÃO

As coisas inacabadas têm, para mim, valor inestimável. São as coisas que só começaram e, por isso, eivadas de esperança. A peça de teatro que comecei há mais de dez anos poderá ser a melhor peça de teatro de todos os tempos. Quem duvida? Ainda não foi terminada! O sonho de ter uma moto, comprar um carro, ter uma televisão, morar sem os pais… Todos esses sonhos morreram, porque tudo foi terminado. Prefiro os sonhos que não têm fim.

Não terminar as coisas é uma forma de eternizar-se. Como posso morrer se ainda não terminei minha obra? Talvez esteja aí a origem de toda arte. Escrever uma história não é como comprar um carro. Pintar um quadro não é como adquirir um televisor. Escrever, pintar, dançar, cantar, compor são atividades sem fim. Por mais que se escreva, se pinte, se cante ou se dance, a impressão sempre é de que se está apenas no começo de tudo.

“Vamos acabar logo com isso”, dizem alguns. “Não deixe para amanhã o que se pode fazer hoje”. Criaram o sábio ditado, mas enviesaram a interpretação. O que eu posso “fazer” hoje – e não devo deixar para amanhã – é começar algo. Recomeçar. Iniciar sempre. Cada dia, um novo início! Sempre vai ficar alguma coisa para o outro dia, porque não cabe nesse tempo, o dia, tudo o que tenho para fazer. Preciso ser eterno. E dou partida à minha eternidade de maneira “iniciática”: sempre iniciando algo. O ritual dessa iniciação começa quando você recebe a primeira crítica: “quer abraçar o mundo com as pernas?”. Sim! Deve ser a resposta! E não só com as pernas, mas com os braços, com os olhos, com o coração, com o corpo inteiro. Quero abraçar o mundo com a própria alma e, assim, conscientizar-me de que eu e o mundo somos um todo indivisível. Mas esse outro estágio vem bem depois da iniciação.

Inicie. Hoje mesmo comece algo. Levante-se e vá trabalhar para isso. O mundo é grande demais para se deixar ficar deitado: é preciso abraçá-lo com as pernas. Depois, quando olhar para os lados e perceber verdadeiramente o mundo de coisas que está tentando abraçar, dê um largo sorriso. Gargalhe! Pule, dance, cante, escreva, solte a sua imaginação, liberte a sua alma das angústias do que lhe parece impossível, porque você é eterno e o seu tempo não existe. Enquanto houver coisas inacabadas, haverá trabalho por fazer e, portanto, muita vida a se viver!

terça-feira, fevereiro 05, 2008

SPA

Sou o homem mais fibroso do mundo
Porque como coisas saudáveis
Que lindo que eu sou!
Fruta? Estou dentro.
Como todas
Bebo todas
E gozo
E tenho muito prazer na vida!

Os sonhos não são comigo
Desculpe, pois
Sou do departamento dos atores
Aqueles que representam os seres mais escrotos
Que habitam os seus sonhos!

Posso, pelo menos, fumar um cigarro?

Que bom exemplo serei eu depois de um filme daqueles?

Mas, quando sozinho,
Como uma fruta.


E é isso que eu tenho para apresentar!

Representar.

Presentear!